quinta-feira, 16 de abril de 2009

Com quantos???

Com quantos você já ficou??? A resposta é algo individual e diz respeito a sexualidade de cada um, certo!? Essa é apenas uma possível resposta. De acordo com a antropóloga Mirian Goldenberg, essa resposta depende a quem perguntamos e em que contexto. Em suas pesquisas e também em sua vida cotidiana percebe que as mulheres tem um número específico de parceiros, no caso 3, e os homens tem números superior a 120 (engraçado e até irreal, digo a diferença).

Ficou confuso? Eu não!!! Temos a dificuldade em expôr a nossa sexualidade. Isso colocando o nós (como gays que querem casar e mulheres que querem casar). Por que precisamos manter, ou fazer de conta, que somos mais puros e assim temos o direito de conquistar o marido ou parceiro ideal?! Essa discussão é uma das que abrilhantou o programa Saia Justa de ontem. O programa fez 7 anos de encontros semanais, em que mulheres de destaque na mídia e na sociedade conversam, discutem, problematizam e dão a sua opinião. Hoje fazem parte dele Márcia Tiburi (que tanto comento no blog), Maitê Proença, Betty Lago e Mônica Waldvogel (a saia que está desde o início).

Pra comemorar, cada saia convidou outra mulher para conversar – vide o vídeo dos bastidores. Cada uma levantou pontos de vista sobre o papel da mulher e sua inserção na sociedade. Uma delas foi a já citada Mirian. Agora não poderia deixar de destacar as falas da Marília Gabriela. Ela coloca em discussão a felicidade. As saias a chamam de mulher que deu certo. Ela simplesmente responde que não deu certo, que nunca se preocupou em dar certo, que vive enfrentando dilemas, seja familiares, profissionais e pessoais. Marília diz não existir a felicidade, sim momentos de alegria e êxtase e momentos de total tristeza.

Num momento ela diz que quando está com problemas não faz esforço nenhum para guardar aquilo, declará-los aos amigos. E brinca com a idéia de saber com quantos já saiu: “Já perdi a conta”

Todas essas inscrições sobre o programa Saia Justa do GNT são válidas, não somente por estar de aniversário, mas por ele, mesmo eu não concordando com alguns posicionamento das ‘meninas’, acaba sendo o grande propulsor das discussões das mulheres e nesse eixo, acaba discutindo sobre toda a sociedade. Uma vez que entendemos a mulher com pertencente e tendo igual peso social.

Quero dizer, que além disso tudo, ele nos serve de exemplo, de como falar abertamente sobre sua vida, seus tabus e também os tabus dos demais num programa de televisão, e que isso pode dar certo. Que colocar a mulher no papel de dona da opinião é um direito. E claro, não poderia esquecer. Quando será que nós gays teremos a oportunidade de ver um programa nesse formato para nós? Revistas já temos, um grande avanço no Brasil. Quem sabe daqui uns anos, poderia discutir a tão mal falada promiscuidade dos gays, afinal como disse a Marília Gabriela (e eu repito pela segunda vez): “acho que perdi as contas”.


Os bastidores. As convidadas falando sobre as Saias....



Mônica fala sobre o programa


Alguns lugares para passear....

Site da Maria Adelaide Amaral - http://www.mariaadelaideamaral.com.br/

1 comentários:

EXAGERADO disse...

Oi,Julio

Já tenho assistido algumas vezes o Saia Justa e realmente possui um conteúdo como poucos.Não vi o Programa de aniversário,pois desconhecia que fazia 7 anos.
Gostei muito do seu Blog...
Obrigado pela visita..faço outra linha,pois sou metido a humorista..rsrs
Volte sempre!
abraço

Olhos atentos