quinta-feira, 22 de julho de 2010

Dois lados... duas versões... dois modos!!

Como é engraçado!!! Para não colocar trágico. Nascemos, nos criamos, cada um a seu modo, cada um dentro de suas possibilidades. Aprendemos algumas coisas aqui, outras alí, outras lá. Aquela história que formamos uma base sólida à partir da família e de seus ensinamentos, a cada dia vai sendo diluída num emaranhado de dúvidas. Está certo, somos exatamente aquilo que tanto desprezamos, sei disso. Ou melhor, apreendi de uma certa forma meio trágico que as coisas funcionam assim comigo.

Jamais poderei dizer que isso é para todos. Porém, eu sou assim. No entanto, mesmo sendo muito parecido com todos aqui em casa, sou muito diferente. Não apenas no modo em que levo a vida, nas minhas escolhas, nas minhas percepções, minhas visões de mundo. Sou literal, isso eu sei, sou sarcástico, mas sou leal.

Ontem mesmo, minha irmã me mostrou um cartão que recebeste de uma amiga/colega de classe junto com o presente da brincadeira de amigo secreto. E depois de ler, e reler fiquei muito feliz. Entre muitas belas palavras, num texto quase melódico, a sua colega, autora, colocou uma questão relativa a minha irmã a qual me identifiquei (ou seria o contrário?). Que a mana vive num mundo COR DE ROSA.

Putz!!! Para alguns pode ser uma extrema ofensa. Para minha irmã, até soou como desagrado. Eu já não. Eu vejo com bons olhos, eu me enxergo nisso. Não vejo nenhum problema, pelo contrário, vejo apenas coisas maravilhosas. Se propor a viver num mundo COR DE ROSA nos torna dóceis. Por muito tempo eu fui assim, me permitindo a não conhecer o outro lado - a realidade.

E me respondam??? Eu ganhei alguma coisa com isso. Não, nem um pouco. Quem sabe para o futuro, quem sabe me tornei um pouco mais desumano, muito mais cruel com o mundo e comigo mesmo. Me anestesiei do mundo ao conhecê-lo.

Viver numa bolha é ruim, mas viver numa dura realidade é muito pior. Sou a favor de um mundo COR DE ROSA. Sou a favor de uma ilusão em prol do meu bem-estar. Afinal, pouco muda eu acreditar nessa fantasia, ou acreditar nessa hipocrisia. Tanto faz, são apenas dois lados, e que ficar no meio disso tudo sim é patológico. Ter a possibilidade de escolher, de querer fantasiar não depende tanto assim da família, situação social, ou de qualquer coisa que tanto insistem em me convencer. Trago um exemplo claro, Hebe Camargo numa entrevista ao programa Marília Gabriela Entrevista no GNT falou que ela sempre foi assim, não via os problemas como problemas. Quando pequena não tivera muitas possibilidades, não tivera nem geladeira, então, quem dera cheia de comidas.

O que ela fez então. Segundo, a própria, ela brincava de dizer que tipo de comida sua mãe iria querer pro jantar, que ela iria tirar da geladeira pra preparar. Pode parecer estranho, maluquice. Mas é apenas uma forma de conviver com a realidade, de esperar por algo novo, de chamar pela sorte, de buscar, mesmo que incoscientemente e sem conhecer nenhuma dessas teorias modernas, uma vida melhor.

Sou a favor do mundo COR DE ROSA. Não sou a favor da bolha, pois ela é fácil demais de estourar. Quero que as pessoas acreditem mais nas coisas lindas, na bondade, na vida melhor e sem privações, na vida de muita liberdade. E acima de tudo, eu quero voltar a ver esse mundo com um película ROSA, num tom relaxante, de aconchego, de plenitude. Seja qual lado escolher para olhar pro lado, pense bem antes, e não deixe, eu... ou qualquer outro convecê-lo do que é melhor. Seja você, acredite em você e viva no mundo em que acreditar existir.

Grande abraço.... a todos meus amigos, amores, aos que conheço, aos que ainda não conheci, aos desta e de outras vidas.... Um grande e forte abraço.... Estamos juntos.. AMO VCS!!!!

3 comentários:

Bruna disse...

Apoiado!!

E meu mundo é cor de rosa.... lilás... verde e por aí vai!

Pabla disse...

Ai, sabe o que enche o saco? Quando as pessoas criticam outras por ver o mundo cor de rosa ou por simplismente não ver essa pessoa desesperada atrás de algo....
Eu vivi meu ano pós formatura bem parecido com o seu e fui bastante criticada por não estar fazendo nada...
Ora, nada... Eu estava (e ainda estou) encerrando um ciclo e pra isso se precisa de tempo, SIM TEMPO, pra ver o que realmente quer e nao somente ir com a maré...
Alguém me explica pra que a pressa?
Escolher uma profissão nao é fácil e decidir o que vai fazer com ela também não... Ou seja, voltamos ao dito popular "cada coisa no seu tempo" ;)

Everton disse...

"minha irmã me mostrou um cartão que recebeste de uma amiga". "Recebeste" é verbo flexionado na segunda pessoa: "tu recebeste". Aqui o sujeito é "minha irmã", logo, terceira pessoa: "ela recebeu".

Olhos atentos