domingo, 13 de julho de 2008

“Experimente lutar contra as paixões”


Li essa frase num livro do Dostoiévski e várias pensamentos me apossaram. Na realidade, lembrei de coisas que sempre ouvi quando deixava a ideologia tomar conta das minhas falas, quando perdia a lucidez por conta do que eu acreditava, ou melhor, quando a paixão falava pela minha razão. Nessas ocasiões era comum ouvir: “você pensa assim agora, mas quando terminar a faculdade vai mudar de idéia.” Para completar, sempre citavam exemplos de amigos que na juventude eram ditos “revolucionários”e com o passar dos anos teriam se “vendido”. Como se ideologia fosse própria da juventude e daqueles que apenas estudam. Como se “revolucionário” fosse sinônimo de ilusionismo, de fantasia e, até, de imbecilidade.

Como se ideologia fosse mera paixão e não pudesse ser materializada, não fosse plausível. Como se as pessoas que se deixam tomar pela ideologia, automaticamente, incapacitassem-se de agir racionalmente e com bases realísticas. Há um punhado de argumentos para desmoronar os alicerces de quem faz o que acredita, de quem age por princípios, de quem tem a tal da ideologia.

Mas, “experimente lutar contra as paixões”... Aliás, por que elas seriam irracionais? E por que ideologia não pode ser factível? Também há exemplos de pessoas exitosas no seguimento de seus ideais.

Isso ficará para os próximos “posts”nesse adorável blog.

1 comentários:

Aninha Bitten disse...

adorável mesmo.
amoo teus argumentos e tua sensatez (hahaha, nem tanto).
amo ter ideiais. e sou completamente apaixonada por eles. sim, sou uma visionária. sim, vivo de utopias. e olha que a juventude já tá se afastando de mim. e quer saber? sou completamente feliz em ser assim. bjoo

Olhos atentos